ESCOLHA A SUA CIDADE
    HORA CERTA
    Cachoeiro de Itapemirim
    Rodas de conversa ajudam mulheres a identificar casos de abuso e violência Um dos recursos que serão usados nas atividades é o violentômetro
    (Foto: Divulgação/ PMCI)
    Autor: Rádio Conexão.ES
    12 de Março de 2019 às 08h17

    Com o objetivo de evitar novas situações de violência contra a mulher, a prefeitura de Cachoeiro realiza, nesta semana, rodas de conversa em Centros de Referência de Assistência Social (Cras) do município. Terça (12), quarta (13) e quinta-feira (14), psicólogas e especialistas na área vão conversar, explicar e ajudar a identificar casos de abuso e assédio.

    As primeiras rodas, nesta terça, acontecerão no Cras do bairro Zumbi, às 9h e às 14h, com a psicóloga Sara Thompson. Quarta (13), o evento acontece às 9h, no Cras do Jardim Itapemirim, com a especialista Tatiane Mareto. 

    Já na quinta (14), há três encontros: no Cras do distrito de Burarama, às 9h, e no de Itaoca, às 14h – ambos com a especialista Naiara Maria Batista. O Cras do Alto União recebe a atividade na mesma data, às 14h, e conta com a participação da psicóloga Giovana Carrozzino Werneck, especialista em Terapia Comportamental e Políticas Públicas em Gênero.

    Com as rodas, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Semdes) coloca o assunto em pauta de uma maneira descontraída e dá voz às mulheres de modo mais informal do que com as convencionais palestras. “É um bate-papo em que as participantes podem desabafar sobre suas realidades e compartilhar experiências. Uma ocasião em que elas mesmas identificam relações de violência”, explica a secretária municipal de Desenvolvimento Social, Márcia Bezerra. 

    As atividades são voltadas a mulheres das famílias acompanhadas pelos Cras, mas qualquer pessoa interessada pode participar. 

    Violentômetro” ajuda a calcular perigo

    Um dos materiais que vem sendo trabalhados pela Semdes em ocasiões em que se trata sobre o assunto é o “violentômetro” - uma espécie de medidor da violência contra a mulher, que as ajuda a identificar padrões abusivos de seus companheiros e saber quando tomar atitude. Os graus dessa espécie de termômetro vão desde falas ofensivas e chantagens até a mutilação. 

    “Algumas mulheres, antes de participarem, nem se davam conta de serem vítimas de abusos ou assédio, pois há quem ainda acredite que a violência está só no ato de bater, machucar ou mutilar. É um instrumento para a mulher perceber os perigos”, salienta a secretária.

    Uma servidora pública, de 60 anos, que prefere não se identificar, destaca a importância de atividades como essas. Vítima de violência doméstica, ela conta que já narrou a própria história em uma palestra sobre o assunto e como foi difícil se libertar do ciclo e procurar ajuda. “É algo que marca não só a vida da mulher, mas toda a família. Eu sempre me culpava pelo que sofria, como se tivesse dado motivo, mas a violência está no abusador e não no abusado. A culpa não é delas”, frisa. 

     
    COMENTÁRIOS *
    * Opiniões expressas na área "Comentários" são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representa o posicionamento da Rádio Conexão.