ESCOLHA A SUA CIDADE
    HORA CERTA
    COLUNISTAS Felipe Gobbi Vanini
    Criar é melhor que destruir?
    Por Felipe Gobbi Vanini
    16 de Novembro de 2017 às 16h23

    Com o passar dos séculos a humanidade se modernizou, aprimorou o conhecimento e usando a tecnologia facilitou a vida de seus precedentes, porém em contrapartida a isso, muitos viraram apenas pessoas teóricas que não fazem nada que não seja aprovado pela ciência, são pessoas sem inspiração, quase que “robôs” que se esqueceram do espírito ancestral, a criatividade, aquela que moveu pintores do mundo todo, que reuniu pessoas para lutarem por seus direitos, essa mesma criatividade esquecida por muitos.

    O ato de criar é mais eficiente que o ato de destruir, pois com a criação podemos criar algo que imobilize toda a destruição, só precisamos da imaginação para isso, sobre a criatividade cidades foram construídas, e guerras foram ganhas, por mais que muitos a consideram como idiotice, ela existe e foi com ela que os maiores projetos da humanidade ganharam forma, a criatividade é o berço da civilização sem fronteiras. 

    Ela não põe limites, na verdade é o oposto, ela expande o mundo, dizendo que tudo que não podemos ver pode ser criado, e que mesmo às vezes a população fica confortada com o luxo que tem e esquece que tem sempre novas coisas a serem criadas, criatividade, imaginação e persistir, são para muitos estudiosos palavras que descobrimos o mundo, e que ao contrário do que muitos falam não tem fronteiras,  o universo é imenso, a arte de imaginar algo e criar deu a humanidade invenções como, a roda, o telefone, além de muitas descobertas medicínais entre outras. 

    A expressão da criatividade é única em todo o mundo, estando em diversas formas,  mesmo muitas instituições achando que criar algo é inútil e que devemos aprender a viver com o que temos e nada mais, esse pensamento se torna vago e sem base quando levamos em conta que tudo no mundo foi a base de uma criação, não importa se é no modo religioso, ou cientifico, o que devemos saber interpretar é que foi uma criação, e que todos nós fazemos parte desse mundo é o objetivo é criar, seja uma carta, um desenho ou outro não importa, mas criar, pois como dizem muitos estudioso o mundo é daqueles que criam, e não daqueles que desistem. 

    Felipe Gobbi Vanini Felipe Gobbi Vanini tem 12 anos, mora em Vargem Alta e está no 7º ano do ensino fundamental. Ele é o escritor do livro "O Sonho de Rapidinho", que foi lançado em outubro de 2016.

    COMENTÁRIOS *
    * Opiniões expressas na área "Comentários" são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representa o posicionamento da Rádio Conexão.