ESCOLHA A SUA CIDADE
    HORA CERTA
    Economia
    Polícia dá dicas para consumidores não serem lesados durante a Black Friday É preciso seguir alguns cuidados básicos para a realização de compras on-line
    (Foto: Pixabay/CC0 Creative Commons)
    Autor: Rádio Conexão.ES
    23 de Novembro de 2017 às 09h30
    Já conhecido e esperado por muitos brasileiros, o “Black Friday” – movimento em que os lojistas oferecem grandes descontos – pode esconder alguns riscos para os consumidores. Por isso, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão aos Crimes Eletrônicos (DRCE) e da Delegacia do Consumidor (Decon), listou algumas dicas para os compradores se protegerem contra possíveis golpes durante as compras nesta sexta-feira (24).
     
    A titular da DRCE, delegada Claudia Dematté, acredita que as facilidades de variedade de ofertas, a possibilidade de pesquisa rápida de preço e o acesso a uma variedade de produtos fizeram com que aumentasse o número de pessoas que realizam compras por meio da internet, e isso tem chamado a atenção de criminosos. “Se certos cuidados não forem tomados, o uso do comércio eletrônico pode se transformar em um problema para o consumidor, tendo em vista que pode aumentar o número de crimes cometidos por estelionatários que usam o comércio eletrônico para aplicar golpes”, alerta.
     
    Segundo a delegada, é preciso seguir alguns cuidados básicos para a realização de compras on-line. “Por isso, muitos são os casos registrados diariamente na nossa unidade. São pessoas que foram vítimas de estelionatários quando da realização de compras por meio da internet”, informou.
     
    Para os casos de compras em lojas físicas, o titular da Delegacia do Consumidor, delegado Gabriel Monteiro, também dá alguns conselhos para o consumidor se proteger durante as compras realizadas no “Black Friday”. “Assim como nas compras pela internet, o comprador também deve verificar a reputação da loja física em que pretende fazer sua compra”, afirmou.
     
    Outra orientação que ele dá é pesquisar o preço que o produto era comercializado antes do “Black Friday” para saber se, de fato, o produto está em promoção. “Durante esta semana, muitos lojistas aumentam o preço do produto e, em cima dele, oferecem o desconto. Porém, o valor final acaba sendo o mesmo de antes do Black Friday. Essa prática induz o consumidor a acreditar que o preço está mais baixo em razão do movimento, porém isso não reflete a realidade”, alertou.
     
    Além disso, Gabriel Monteiro orienta o consumidor a sempre pedir a nota fiscal do produto. “Essa prática contribui para evitar a compra de produtos falsificados ou de procedência duvidosa. Além disso, a nota fiscal também ajuda a fazer a troca da mercadoria junto ao vendedor. Vale lembrar que, o comerciante só é obrigado a fazer a troca do produto quando esse apresentar algum defeito. As demais trocas efetuadas no comércio são fruto de acordo informal praticado no comércio há anos. Nos casos de compras online o prazo para troca é de sete dias, a partir do recebimento do produto”, disse.
     
    Mas, se mesmo adotando todos os cuidados, o consumidor for vítima de algum tipo de crime, os delegados orientam a procurar a Delegacia para fazer o registro da ocorrência. “Somente dessa forma, a Polícia Civil vai iniciar as investigações para que estes estelionatários, que se aproveitam desses momentos para cometer crimes, sejam devidamente investigados e punidos. A pena para quem comete o crime de estelionato é de reclusão de um a cinco anos e multa”, informou Cláudia Dematté.
     
    Cuidados que devem ser tomados na hora de fazer as compras:
     
    1. Desconfie de preços muito abaixo da média praticada pelo mercado;
    2. Faça uma pesquisa de preços semanas antes para saber se o produto realmente está em promoção;
    3. Pesquise sobre a qualidade ou reputação do vendedor, tanto para lojas físicas quanto para compras na internet;
    4. Exija sempre a nota fiscal. Ela vai ajudar a evitar a compra de produtos falsificados e de procedência duvidosa.
    5. Verifique se a Loja On-line oferece ambiente seguro. Procure no site da empresa os selos tais como “Internet Segura” ou “Site Seguro” que indicam que o site toma medidas de segurança para proteção das informações e dados passados pelos clientes;
    6. Na hora de fechar a transação você deve observar se o navegador da internet exibe o ícone de cadeado na parte inferior ou na barra de endereços;
    7. Verifique se o site de comércio eletrônico informa o CNPJ, o endereço físico e o telefone da empresa conforme o Decreto Lei 7962/2013 que regulamenta o e-commerce no Brasil recomenda;
    8. Verifique se o prazo de entrega informado pelo site é muito longo. Se não for informado, demonstra que provavelmente não exista o produto em estoque;
    9. Não guarde os dados do seu cartão de crédito para compras futuras;
    10. Evite fazer compras a partir de computadores públicos ou redes públicas;
    11. Tenha sempre cuidado com a segurança do seu computador ou dispositivo móvel. Mantenha seu sistema operacional e programas, principalmente os navegadores, atualizados;
    12. Utilize sempre antivírus e mantenha-o atualizado;
    13. Tenha muito cuidado com links, sites e possíveis e-mails falsos que direcionam para arquivos maliciosos;
    14. Tenha muito cuidado com ofertas recebidas por e-mail e redes sociais: muitas vezes esses e-mails ou links em redes sociais vão direcionar a pessoa para sites falsos ou de reputação duvidosa. É recomendável que a pessoa abra uma nova tela e digite o endereço eletrônico da loja para verificar se no site realmente existe a oferta do produto que está sendo oferecido no e-mail ou rede social.
     

    Fonte: PCES
    COMENTÁRIOS *
    * Opiniões expressas na área "Comentários" são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representa o posicionamento da Rádio Conexão.