ESCOLHA A SUA CIDADE
    HORA CERTA
    Economia
    Pente-fino deve gerar economia de R$ 20 bilhões nas contas do INSS Atualmente, a Câmara dos Deputados analisa uma proposta para alterar o regime de aposentadorias e pensões no Brasil, considerado essencial para a economia brasileira
    (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
    Autor: Rádio Conexão.ES
    19 de Janeiro de 2018 às 14h48

    Em meio aos esforços para conter o aumento dos gastos do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), que é responsável por fazer os pagamentos das aposentadorias de trabalhadores de empresas privadas, o Governo do Brasil vai aumentar o controle na concessão de pensões por invalidez e auxílio-doença e espera poupar, no mínimo, R$ 20 bilhões a cada ano.

    Essa medida ocorre em um momento em que os gastos com pensões e aposentadorias crescem exponencialmente a cada mês, resultando no maior fator de desequilíbrio nas contas públicas. Atualmente, a Câmara dos Deputados analisa uma proposta para alterar o regime de aposentadorias e pensões no Brasil, considerado essencial para a economia brasileira. Confira mais sobre a revisão dos benefícios.

    O que foi feito?

    Neste ano, foram economizados R$ 5,7 bilhões com a revisão dos benefícios. É importante realizar esse pente-fino para garantir que o pagamento chegue a quem, de fato, precisa.

    Como foi feito?

    Foram aplicadas novas perícias médicas a quem recebia auxílio-doença ou pensão por invalidez, e que não passaram por avaliações há dois anos ou mais. Das 435 mil convocações, mais de 226 mil segurados tiveram os benefícios cancelados.

    E agora?

    Para bater a meta de revisão de mais de um milhão de concessões, o Governo do Brasil mudou algumas coisas. Agora, há um limite de 120 dias para que quem tenha tido o beneficio cancelado receba o pagamento e entre no mercado de trabalho. Antes, esse prazo era de 12 meses.



    Fonte: Governo do Brasil, com informações do MDS

    COMENTÁRIOS *
    * Opiniões expressas na área "Comentários" são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representa o posicionamento da Rádio Conexão.